Como o Giovanni é pago em bitcoin no Brasil

Giovanni nasceu em Limeira, Brasil, e estuda economia na Universidade Estadual de São Paulo. Ele também trabalha para uma organização internacional sem fins lucrativos.

“Estou animado com o potencial do bitcoin para trazer liberdade econômica e estabilidade às pessoas no Brasil e em toda a América Latina.”

“Eu sou pago em bitcoin”

Giovanni está estudando economia, mas ele também trabalha para uma organização sem fins lucrativos, Students for Liberty Brasil. A sede da organização fica nos Estados Unidos e eles ofereceram a ele a opção de pagamento em bitcoin ou por transferência bancária internacional.

Giovanni escolheu o bitcoin porque, em suas palavras, “receber pagamento por transferência bancária levaria vários dias e incluiria taxas caras”. Em vez disso, ele simplesmente fornece aos organizadores o endereço de sua carteira de bitcoin. “Recebo o bitcoin imediatamente, sem taxas, e posso usá-lo no Brasil da maneira que quiser”, acrescentou.

“Eu apoio minha comunidade com bitcoin”

Giovanni gasta a maior parte de seu bitcoin em suas despesas diárias. Ele economiza um pouco de bitcoin para o futuro e também compartilha com amigos, familiares ou comunidades locais necessitadas.

“No Brasil, muitas vezes você recebe ajuda de pessoas da sua comunidade”, disse Giovanni. “Sempre que recebo conselhos de alguém, envio bitcoin como forma de agradecimento. Se há uma organização fazendo algo significativo pelas pessoas ao meu redor, eu também às apoio com doações em bitcoin.”

“O bitcoin no Brasil dá às pessoas liberdade e estabilidade”

Giovanni compartilhou histórias sobre a história de instabilidade financeira de seu país, que resultou em uma geração de pessoas que ainda guardam dinheiro em suas casas ou sob os colchões.

Giovanni acredita em um futuro onde haja mais opções para que os brasileiros possam economizar, enviar e gastar. “Acredito que o bitcoin tem o potencial de realmente elevar a linha da pobreza em meu país, pois remove barreiras para pessoas de baixa renda e lhes dá acesso a serviços financeiros básicos.”